Domingo, Setembro 21, 2014

62 - CARTA AO MEU IRMÃO

Meu irmão,
ainda pouco, durante o trabalho de exteriorização de energia que faço todas as noites, percebi sua atmosfera energética à distância. Notei que as energias da parte posterior de sua cabeça até a parte posterior do coração estão esmaecidas, sem vivacidade. Isso denota que sua vitalidade está esvaindo-se. Horas atrás, quando falamos por telefone, você tentou passar para mim a idéia de que estava tudo bem. Porém, suas energias não estão boas.

Cara, sua doença é grave. Seu orgulho não deixa transparecer, mas sei que você está com medo. A possibilidade de você ser ejetado definitivamente para fora do corpo é muito grande.

Você não entrega o jogo para ninguém, mas outro dia eu o vi fora do corpo aqui em casa durante a madrugada. A sua capa de orgulho estava desfeita e você pediu minha ajuda.

Sabe, já estou lhe ajudando em silêncio há dois anos, desde sua primeira crise séria. Aquela vez que você foi parar na UTI e quase "descascou" de vez, fui lá visitá-lo. Deixaram-me entrar, e sem que ninguém notasse apliquei energia em você. Um dos espíritos hindus ajudou-me no processo. Horas depois, você melhorou e saiu de lá. Ninguém viu e você também não soube, até agora. Posteriormente, esse mesmo amigo hindu explicou-me várias coisas a respeito do seu processo cármico. Segundo ele, você ganhou uma moratória espiritual, um tempo a mais para amaciar seu ego. É por isso que você está por aqui até agora.

Seu autoritarismo o levou a cometer muitas violências em vidas anteriores. Há muito sangue rolando nas estradas de suas vidas passadas. E nessa vida atual, você ficou preso a um materialismo exacerbado e a um orgulho que fez seu coração ficar medíocre.

Resumindo: Você não é um péssimo cara e não fez mal aos outros nessa vida. Mas, também não angariou créditos de simpatia e amor no jogo de viver. Ou seja, você apenas foi vivendo, sem maiores preocupações, até a doença surgir para quebrar seu artificialismo de vida.

Ainda agora projetei energias para você. Mas quem sou eu para alterar uma encrenca cármica dessa natureza? Por isso, elevei a mente e o coração aos planos superiores e pedi ajuda para você mais uma vez. Não pedi cura e nem que algum amigo quebre o galho para você do "lado de lá". Não sei o que é melhor para você. Só sei que ninguém morre! Portanto, dentro ou fora do corpo, você estará sempre vivo!

Baseado nisso, pedi às Fontes Luminosas de Amor que projetassem sobre você as energias divinas. Isto é, pedi para que aconteça aquilo que for melhor para a sua evolução. Se você ficar encarnado, que isso seja útil ao seu progresso. Se desencarnar, que isso seja um novo passo rumo ao seu crescimento interior.

Pedi para você o melhor que eu sei: a alegria de Krishna, o amor de Jesus e a paz de Buda.

Cara, seu corpo está doente e você está questionando tudo e todos. Mas, por favor, acenda a luz do coração e abra todo seu ser ao "jorro de luz" que interpenetra todos os seres. Deixe essa luz "lavar" seu ego e transformar sua consciência em uma linda estrela espiritual. Acione a tecla da simplicidade e decole rumo à expansão da consciência. Viaje pelo "céu do coração" e encontre seu caminho.

Você me pediu ajuda fora do corpo. A partir disso, fiz duas coisas:

Enviei energia para você.
Escrevi tudo isso para você refletir. O resto, está por conta de Jesus, Krishna e Buda.
Uma coisa é certa: se você "descascar", eu ou algum dos meus amigos extrafísicos aportaremos ajuda espiritual em sua "viagem de volta para casa".

Bom, cara, é isso aí. Dentro ou fora do corpo você é meu irmão. E eu desejo "PAZ E LUZ" a você, na Terra ou em qualquer dimensão.

PS: Meu coração transformou-se em um Sol e meu chacra frontal é puro-brilho-pacífico. FIQUE BEM!

- Wagner D. Borges -
SP, 23 de outubro de 1998 às 02:39 h.
/*



Texto <62><24/10/1998>
IPPB – Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas
Rua Gomes Nogueira, 168 – Ipiranga – São Paulo – SP – CEP: 04265-010.
Telefones: (11) 2063-5381 ou (11) 2915-7351 das 12h às 18h (de 2ª à 6ª feira).
Informações sobre cursos e palestras: eippb@uol.com.br