ESPÍRITOS DA NATUREZA

Os estágios que o ser espiritual passa entes de encarnar em um corpo humano. As tarefas que os “espíritos da natureza” executam e suas finalidades.

Dra. Irvênia Prada
Associação Médico-Espírita do Brasil
DUENDES, GNOMOS E FADINHAS EXISTEM?

Em "Libertação", cap. IV, André Luiz relata incursão a zonas inferiores, quando então o Instrutor Gúbio esclarece: "Estamos numa colônia purgatorial de vasta expressão. Quem não cumpre aqui dolorosa penitência regenerativa, pode ser considerado inteligência sub-humana. Milhares de criaturas, utilizadas nos mais rudes serviços da natureza, movimentam-se nestes sítios em posição infraterrestre. A ignorância, por ora, não lhes confere a gloria da responsabilidade. Em desenvolvimento de tendências dignas, candidatam-se à humanidade que conhecemos a Crosta. Situam-se entre o raciocínio fragmentário do macacóide e a idéia simples do homem Primitivo na floresta. Afeiçoam-se a personalidades encarnadas ou obedecem, cegamente, aos espíritos prepotentes que dominam em paisagens como esta. Guardam, enfim, a ingenuidade do selvagem e a fidelidade do cão. O contato com certos indivíduos inclina-os ao bem ou ao mal e somos responsabilizados pelas Forças Superiores que nos governam, quanto ao tipo de influencia que exercermos sobre a mente infantil de semelhantes criaturas.

Interessante o relato da existência desses espíritos ("milhares de criaturas") de inteligência sub-humana, utilizados em trabalhos na natureza, o que vem de encontro ao conteúdo do folclore de muitas culturas.

De fato, a, figura de gnomos, duendes, fadas, silfos e elfos acha se sempre presente em contos, lendas, estórias, enriquecendo a imaginação popular.

Mas, será que são apenas espíritos de inteligência sub-humana, os que se dedicam aos serviços da natureza?

Ao tratar da classificação dos espíritos, Kardec assim se refere à Nona Classe - Espíritos Levianos: "São ignorantes, malignos, inconseqüentes e zombeteiros. Metem-se em tudo e a tudo respondem sem se importarem com a verdade. Gostam de causar pequenas contrariedades e pequenas alegrias, de fazer intrigas, de induzir maliciosamente ao erro, por meio de mistificações e de esperteza. A esta classe pertencem os Espíritos vulgarmente designados pelos nomes de duendes, diabretes, gnomos, trasgos. Estão sob a dependência de Espíritos superiores, que deles muitas vezes se servem como fazemos com os criados. Nas suas comunicações com os homens, a sua linguagem é muitas vezes espirituosa e alegre, mas quase sempre sem profundidade; apanham as esquisitices e os ridículos humanos, que interpretam de maneira mordaz e satírica . se tomam nomes supostos, é mais por malicia do que por maldade”.

No próprio LE 540, ainda encontramos mais esclarecimentos sobre esses espíritos. Kardec pergunta: - "Os espíritos que agem sobre os fenômenos da Natureza agem com conhecimento de causa, em virtude de seu livre arbítrio, ou por um impulso instintivo e irrefletido? R - Uns sim, outros não. Faço uma comparação: figurai essas miríades de animais que pouco a pouco fazem surgir do mar as ilhas e os arquipélagos; acreditais que não há nisso um objetivo providencial, e que essa transformação da face do globo não seja necessária para a harmonia geral? Há, entretanto, animais do último grau os que realizam essa coisas, enquanto vão provendo às necessidades e sem se perceberem que são instrumentos de Deus. Pois bem: da mesma maneira, os espíritos mais atrasados são úteis ao conjunto; enquanto eles ensaiam para a vida e antes de terem plena consciência de seus atos e de seu livre arbítrio, agem sobre certos fenômenos de que são agentes sem o saberem. Primeiro, executam; mais tarde ainda, poderão dirigir as coisas do mundo moral. E assim que tudo serve, tudo se encadeia na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo, pois ele mesmo começou pelo átomo. Admirável lei de harmonia, de que o vosso espírito limitado ainda não pode abranger o conjunto."


ESCALA EVOLUCIONÁRIA

Portanto, podemos entender que vários são os estágios dos espíritos que se ocupam da Natureza, desde aqueles que animam as "miríades de animais de ínfima ordem", até os que, tendo alcançado um certo desenvolvimento, ordenam e dirigem primeiro as coisas do mundo material e, depois, as de ordem moral".

Aliás, o que lemos no LE 538 não nos deixa dúvidas: - “Esses espíritos pertencem as ordens superiores ou inferiores da hierarquia espírita? R – Segundo o seu papel for mais ou menos material ou inteligente: uns mandam, outros executam. Os que executam as ações materiais, são sempre de uma ordem inferior, entre os espíritos como entre os homens”.

O prezado confrade Divaldo Pereira Franco, em entrevista concedida à "Revista Espírita Allan Kardec", ano V - agosto a outubro/92, esclarece que a grande maioria dos não evoluídos, que ainda não tiveram reencarnações na Terra apresentam-se, não raro, com formas especiais, de pequena dimensão, o que deu origem aos diversos nomes nas sociedades mitológicas do passado. Divaldo refere ainda que, pessoalmente, por experiências mediúnicas, acredita que alguns vivem o período intermediário entre as formas primitivas e as hominais, preparando-se para futuras reencarnações humanas.

Nessa mesma revista encontra-se narrado interessante caso ocorrido com Chico Xavier. Diz o artigo que Chico foi procurado por um casal de fazendeiros que, aflitos, buscavam socorro para espantar as cobras que infestavam suas terras. Chico recomendou a eles que levassem à fazenda um benzedor, que naturalmente é um médium de efeitos materializantes. Quando ele fizer suas orações, recomendou Chico, os espíritos que cuidam da Natureza utilizarão esses fluidos, tocando as cobras dali para uma região de menos perigo. Quanto a mim, complementou Chico, minha tarefa é com os livros!

Voltemos ao LE "Ações dos Espíritos sobre os fenômenos da Natureza":

538 - "Os Espíritos que presidem aos fenômenos da Natureza formam uma categoria especial no mundo espírita, são seres à parte ou espíritos que foram encarnados, como nós?
R – Que o serão, ou que o foram”.

539 – “Na produção de certos fenômenos, das tempestades, por exemplo, é somente um espírito que age ou se reúnem em massa?
R – Em massas inumeráveis”.


ONDE VIVEM ESSE ESPÍRITOS DA NATUREZA?

Vejamos o LE 537: “...poderia, então haver espíritos habitando o interior da Terra e presidindo aos fenômenos geológicos? R – Esses espíritos não habitam precisamente a Terra, mas presidem e dirigem os fenômenos, segundo as suas atribuições...”

Divaldo Franco também dá a sua contribuição à elucidação ao assunto, na mesma fonte antes referida. Ao lhe perguntarem qual é o habitat natural desses espíritos, responde: “A Erraticidade, o mundo dos espíritos, pertencendo a uma classe própria e, portanto, vivendo em regiões compatíveis com o seu grau de desenvolvimento, de evolução. “Misturam-se” aos homens e vivem, na grande maioria, na própria Natureza, que lhes serve de espaço especial”.

Com o titulo de “Espíritos não Humanos”, foi publicado na “Folha Espírita”, artigo de Eduardo Simões, no qual entre outras informações, lembra a evidente correlação entre a existência dos elementares, espíritos não humanos ou espíritos da natureza, com o relato da passagem em que “Jesus apazigua a tempestade” (Mt. 8-23-27), repreendendo os ventos e o mar.

Conforme conclui o autor, de maneira bastante lógica, Jesus teria falado não aos ventos e ao mar mas, sim aos espíritos não humanos que, conforme o LE 539, agem nos fenômenos da natureza.

Fica uma advertência importante, a exarada por Gúbio, de que esses espíritos são inclinados ao bem ou ao mal, na dependência do tipo de influência que sofram, dada a característica "infantil" de suas mentes e devendo, portanto, merecer o respeito de todos nós, como seres em evolução que certamente estão trilhando os mesmos caminhos que já percorremos.



Nota: LE - O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

(Extraído da Revista Cristã de Espiritismo nº 2, páginas 26-28)

ImprimirEmail