1087 - SHIVA-SHANKARA

(Bênçãos na Senda)
 
Shankara é um dos epítetos de Shiva*.
Significa “Dispensador de bênçãos”.
Ou seja, o “Poder Maior Que Abençoa” a todos.
E aqueles que operam nessa sintonia, também espargem bênçãos.
São veículos da Energia Suprema. São servidores da Luz Maior.
E, por onde seguem, projetam toques curativos e ideais libertários...
Ah, mesmo no seio do mundo, eles são acompanhados por Shiva.
Porque o Senhor sabe quem são os seus trabalhadores.
Ele olha em seus corações e vê o que move seus propósitos.
Ele sabe que a jornada espiritual não é fácil, e que muitos caem na senda.
Mas Ele é o Supremo e jamais julga ninguém. Pelo contrário, Ele é só compreensão.
Muitos falam d’Ele com fervor religioso, ou até mesmo com medo de sua ação.
Talvez seja porque toda transformação é uma espécie de morte de velhos apegos.
E como Ele é o Divino Transmutador, sua ação alquímica é profunda e veraz.
Por isso, muitos O temem. Porque, mudar nunca é fácil. E crescer, nem se fala...
Mas, Ele é bem mais do que isso. Ele também é o Dispensador de Bênçãos.
Ele é o Maha-Deva!**, Aquele que ilumina a senda e dissipa as ilusões.
Ah, Ele dança sobre os despojos carnais e ejeta o espírito para as estrelas.
Ele corta a cabeça do orgulho e diz ao viajante espiritual: “Honra na senda!”
Com a espada do discernimento, Ele corta tudo aquilo que impede o Ser de crescer.
Mas, sua ação é amorosa e silenciosa. E a Sua Luz é portentosa e generosa.
E quando Ele se manifesta até mesmo os espíritos trevosos curvam suas cabeças.
Porque eles sabem quem Ele é! Por isso, se calam e se afastam, bem de mansinho.
Ah, diante d’Ele, todo mal se retira. E o que é justo se estabelece.
Portanto, nos momentos de provas e pressões, Ele é o porto seguro e o oásis.
Porque Ele conhece os corações e sabe quem caminha com honra pela senda.
E só dança com Ele quem é forte de caráter.
Ele, Shiva, o Shankara!
 
P.S.:
Aquilo que é real permanece.
Mas o que é falso, sempre passará...
Porque um Grande Amor não cabe num coração medíocre.
E conhecimento profundo não cabe em mentes rasas.
Logo, para aguentar uma Grande Luz, é preciso ser forte e generoso.
E, mesmo sob o peso da incompreensão, ainda assim, perseverar...
E diante das tragédias do mundo, orar e servir, sem se abalar e sem se desviar.
Porque Ele sabe quem são os seus trabalhadores. E espalha bênçãos na senda...
Ele, o Shankara!
 
Om Namah Shivaya!***
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges –
São Paulo, 10 de abril de 2011. 
 
- Notas:
* Shiva - na cosmogonia hinduísta, o Divino é representado por três aspectos fenomênicos: Brahma - O Criador; Vishnu - O Preservador; e Shiva - O Transformador.
Shiva é o senhor de todas as transmutações na natureza, é o senhor das energias e de todo movimento vital. Em muitas representações simbólicas, Ele é representado como o "Nataraja", O Dançarino Divino que faz o universo vibrar e girar em sua eterna dança cósmica (que dilui as brumas da ilusão e faz ver o real). Por isso, algumas imagens O mostram dançando dentro de uma roda (o universo).
** Mahadeva – do sânscrito - Maha: Grande, Vasto, Imenso – Deva: Divindade, Ser Celestial. Logo, Mahadeva significa Grande Divindade; Grande Ser Celestial; Grande Deus.
*** Om Namah Shivaya – do sânscrito – é um dos mantras evocativos de Shiva e Seu Poder de Transmutação. Para melhor compreensão sobre isso, ver o texto “Shiva – O Mahadeva”, postado no site do IPPB, no seguinte endereço específico: http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=4681  
Obs.: nas notas desse texto está postada uma coletânea de textos relativos à Shiva, postados antes como textos periódicos do site ao longo dos anos – www.ippb.org.br 

Texto <1087><20/04/2011>

Imprimir