1251 - A MAGIA DO GRANDE ESPÍRITO – II

 
Muitas vezes, as lições que o homem precisa aprender em sua caminhada pelas pradarias da vida, surgem de onde menos se espera... Isso porque o Grande Espírito conhece todas as bifurcações e ondulações da jornada e Ele “escreve certo, mesmo por linhas tortas”, como dizem por aí...
Portanto, cabe ao homem decifrar as pistas que lhe são dadas, observar onde seu coração quer ir e assumir suas escolhas com honra e carinho, para que sua jornada tenha mérito.
Se o homem caminhar sem honra em sua trilha, a dor virá fazer-lhe companhia e o seu orgulho será derrubado! Isso é certo, como a chegada do frio cortante no inverno.
Mas, se ele for honrado em seu coração, o Amor o guiará... E isso também é certo, como o desabrochar das flores na primavera.
Os velhos sábios do povo vermelho sempre ensinaram o respeito à Natureza e à valorização da vida. Sempre falaram dos caminhos misteriosos do Grande Espírito e de como Ele faz surgir as lições apropriadas aos seus filhos.
Às vezes, Ele faz surgir a música certa* na trilha de um curador, e isso inspira os seus passos e o seu trabalho. Então, o seu coração compreende a pista...
 
                                   * * *
 
Muitos falam das artes xamânicas, mas, sem honra e sem alma. Em consequência, os seus passos são tortos e, oportunamente, a dor se fará presente em suas jornadas.
O Grande Espírito jamais será enganado pelas tramóias do homem!
Ele sabe quem é curador de alma, porque lê a verdade em seu coração.
Às vezes, o homem precisa ficar sozinho, para decifrar as pistas e compreender as lições... Para ganhar novas forças em seu trabalho.
Outras vezes, ele precisa estar junto com alguém na mesma sintonia do seu coração... Para equilibrar os seus sentimentos no mundo.
A chave da trilha do curador é o Amor... Que abre as portas de sua alma para as luzes do Grande Espírito.
 
                                   * * *
 
Os velhos sábios do povo vermelho continuam velando as verdadeiras artes xamânicas**. Lá das pradarias espirituais, eles semeiam energias de serenidade e harmonia no coração de quem palmilha sua trilha com atitudes honradas e alma forte.
Eles oram ao Grande Espírito, pelo Bem de todos os curadores de alma.
Eles são amigos secretos do coração honrado.
Eles ensinam o caminho da humildade e das mãos de luz.
E eles sempre falam do respeito à Natureza e ao Grande Espírito.
 
                                   * * *
 
Muitas vezes, o Grande Espírito “escreve certo” pelas letrinhas tortas do próprio homem. Portanto, cabe ao homem decifrar as pistas e ver qual é a jornada que o seu coração quer seguir... Para, assim, compreender os seus mistérios e conhecer a si mesmo.
A trilha do curador é luminosa, não por ele, que é canal das luzes espirituais no mundo, mas, pelo Poder do Grande Espírito, que lhe deu a rica oportunidade de fazer o Bem no mundo. Sendo assim, ele honra a lição e compreende...
A chave da trilha do curador é o Amor.
 
(Lá das pradarias espirituais, os velhos sábios mandam dizer a todos, “Mitakuye Oyasin!”***)
 
- Black-White Snow**** –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 19 de abril de 2013.)
 
- Notas:
* Enquanto eu passava a limpo essas linhas, rolava aqui no meu som o lindo CD xamânico “Go Unto Every Nation” – do flautista nativo americano Vince Redhouse.
Para quem quiser conhecer o trabalho dele, deixo na sequência três links para músicas dele postadas no site do Youtube.
- Vince Redhouse – “Zuni Sunrise”
- Vince Redhouse - “Playing The Swan"
- Vince Redhouse – “Playing Largo”
** Para os leitores que gostam de temas xamânicos, sugiro uma visita ao site do nosso amigo Vítor Hugo França (participante do Grupo de Estudos e Assistência Espiritual do IPPB - e responsável pela parte administrativa), que faz um trabalho de esclarecimento muito bom nessa área. O endereço do mesmo é www.vozdoselementos.com.br  
*** Mitakuye Oyasin - expressão de saudação dos índios Sioux, dos Estados Unidos da América.
**** Black-White Snow é um xamã pele-vermelha desencarnado que aparece ocasionalmente para mim. É um grande manipulador de energias e conhece bem a arte das experiências fora do corpo, além de ser dotado de um bom humor contagiante.
Obs.: Para enriquecer esse texto, deixo na sequência a sua primeira parte, que eu mesmo escrevi, no ano 2003.
 
 
A MAGIA DO GRANDE ESPÍRITO
 
Ó Grande Espírito!
Que as pulsações do meu coração estejam em ressonância com as pulsações da vida infinita.
Que a canção das estrelas arrebate o meu espírito!
Que a vastidão dos oceanos me inspire à vastidão dos pensamentos criativos.
Ó Grande Ser que está em Tudo!
Minha criança interior saúda a Tua criança interior, que é a mesma.
Junto com ela celebrarei a Magia da Vida.
Dançarei em volta das fogueiras da alegria, e suas chamas aquecerão os corações esquecidos de viver na ressonância de Tua pulsação universal.
Ó Manitu*, Senhor de todas as canções, vem aqui dentro do meu peito e faz a Magia da Canção acontecer.
O Povo Alado, que conhece bem o azul do Teu céu e que vê o Invisível que os homens não veem, veio me falar de Tua Magia.
O espírito da águia me ensinou que a Tua Magia está no ar e nos vastos horizontes.
O espírito da coruja me ensinou com o olhar silencioso que a Tua Magia flutua no centro da noite.
O espírito do beija-flor me disse que as flores lhe ensinaram que é a Tua Magia que faz com que elas desabrochem na época certa.
E o espírito do condor me falou que viu a Tua Magia nas alturas Andinas.
Ó Tupã**, Pai Primeiro, que eu possa voar e dançar na Tua Magia!
E que, junto com os meus companheiros de estudo e prática espiritual, nós possamos celebrar a Magia de nossos espíritos com a Tua Magia, pois ela é a mesma.
Possamos voar espiritualmente com o povo alado pelo azul do Teu céu, para que eles nos ensinem a arte de ver o Invisível.
Ó Grande Chefe das consciências!
Vêm e arrebata nossos espíritos com a Tua Magia, para que a criança interior faça a Magia do sorriso florescer em nossos corações.
Abençoa o nosso trabalho com a Magia do Teu Amor!
 
P.S.:
O povo alado me disse que não é apenas o povo do invisível que interage interdimensionalmente com os trabalhos espirituais, mas também o povo das estrelas.
Lá em cima ou aqui embaixo, nos planos invisíveis ou aqui na Terra, é a mesma Magia do Grande Espírito que está em tudo!
Portanto, celebremos a Magia da Vida!
E viva o Pai Primeiro e a criança interior, mestres da magia da alegria.
Mitakuye Oyasin!***
 
(Esses escritos foram direcionados originalmente para a turma do curso “Estudos Parapsíquicos” – 2a fase, que estava comigo no sábado passado realizando um ótimo trabalho parapsíquico inspirado por um grupo de amparadores extrafísicos indígenas. Esse texto é dedicado às 64 pessoas da turma.)
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges – sujeito com defeitos e qualidades, igual a todos, que não é xamã, guru, mestre ou coisa alguma, mas que dá sorte do povo alado lhe facultar o acesso aos reinos do Invisível e aquele brilho que não é desse mundo, do qual a sua criança interior sempre lhe disse ser a casa da alegria e a fonte de todos os sorrisos.
São Paulo, 08 de novembro de 2003.
 
- Notas:
* Manitu - designação que os índios algonquinos, dos Estados Unidos da América, dão a uma força mágica não personificada, mas inerente a todas as coisas, pessoas, fenômenos naturais e atividades. Ou seja, O Grande Espírito.
Para os interessados em pesquisar o Xamanismo, sugiro os seguintes livros para começar: “O Caminho do Xamã” – Michael Harner – Editora Pensamento.
“Os Segredos do Xamanismo” – Jose Stevens e Lena S. Stevens – Editora Objetiva.
“Cartas Xamânicas” – Jamie Sams e David Carson – Editora Rocco.
** Tupã - dentro da Cosmogonia Tupi-Guarani é o SER que a tudo criou. O Criador da Luz que gera a vida.
Obs.: Para maiores aprofundamentos sobre a Cosmogonia Tupi-Guarani, sugiro a leitura do ótimo livro “Tupã Tenondé” – Kaka Verá Jecupé – Editora Fundação Peirópolis.
*** Mitakuye Oyasin - expressão de saudação dos índios Sioux, dos Estados Unidos da América.
Essa expressão é muito usada pelo personagem de HQ “Mágico Vento”, um branco que se tornou xamã de uma tribo Sioux. Esse personagem foi criado pelo escritor italiano Manfredi, da Editora Bonelli (editora italiana que publica as excelentes HQs de “Tex”, “Zagor”, “Mister No”, “Martin Mysteri”, “Dylan Dog” e outros), e suas histórias são publicadas aqui pela Mythos Editora.
Em diversos números de “Mágico Vento” há elementos de magia e muitos toques que remontam às experiências fora do corpo e a mediunidade. É uma das HQs mais elogiadas da Mythos Editora.
Fica aqui o meu agradecimento ao Helcio de Carvalho e ao Dorival Vitor Lopes, diretores da editora, por publicarem uma HQ de alto nível como essa aqui no Brasil.
 

Texto <1251><27/04/2013>

 

Imprimir Email