PEQUENO RECADO AOS PROJETORES ASTRAIS

Na viagem da alma muita coisa acontece, e, na maioria das vezes, esquece-se o que aconteceu. O cérebro bloqueia a entrada das informações extrafísicas e o condicionamento tridimensional bloqueia a saída consciente do corpo astral.

O torpor invade o espírito e tolhe sua atenção.

Semiconsciência: essa é a verdadeira morte, que deve ser vencida com esforço sincero.

A lucidez real deve ser trabalhada a cada instante. Acima de tudo, deve ser dinamizada durante a vigília física.

O relógio biológico impõe sua trava e, somente com vontade firme, vence-se essa barreira.

O corpo não é o verdadeiro inimigo, mas sim, a falta de dedicação no estudo da arte de se projetar (1).
 
Milhares de bandeiras são desfraldadas todos os dias em diversas nações. Do mesmo modo, milhares de recursos deve o projetor utilizar, para desfraldar sua bandeira espiritual de liberdade.

A supremacia do espírito sobre a matéria advém de uma grande capacidade de concentração sobre uma determinada idéia-alvo. Com a insistência em uma idéia-alvo bem determinada, dia após dia, o padrão mental sensibiliza-se e conecta-se com a freqüência-alvo que lhe foi imposta pela consciência.

O destino do projetor deve ser sempre pré-determinado por ele mesmo. Não se pode ficar ao sabor das ondas de energia, astral ou mental, por não se ter uma idéia-padrão que determine as coordenadas da projeção. Essa idéia-padrão deve ser a matriz da experiência. Só deve ser mudada em casos de assistência extrafísica ou por determinação dos espíritos diretores da experiência.

Não se deve aquietar a mente em demasia ao deitar, nem se pode superexcitá-la com atividade demasiada. Há que se encontrar um estado intermediário e alternativo, que possibilite o relaxamento do corpo e da mente, sem que a consciência perca sua dinâmica mental.

Existem muitas barreiras que impedem o projetor de alcançar tal estado alternativo. Uma delas é a falta de hábito em observar o estado de queda gradual da lucidez no sono comum. Via de regra, o ser humano está acordado na vigília física convencional, ou está apagado em seu sono natural.

No estado hipnagógico (2), rico em ondas alfa, reside a chave para a entrada consciente nas projeções.

Deve-se observar a si mesmo na hora de cair no sono, mantendo ao mesmo tempo, na tela mental, a imagem do alvo escolhido, auto-sugestionando-se de que conseguirá chegar até lá projetado. É imprescindível manter esse procedimento todas as

vezes em que se deitar o corpo físico no leito, para o sono ou uma simples cochilada.

O padrão mental de deitar somente para dormir deve ser quebrado. Deve-se deitar para que o corpo durma, mas a consciência não pode dormir junto. Deve-se aproveitar o recreio que o relógio biológico lhe concede. O ser humano dorme muito e o seu corpo necessita dessas horas de sono. Porém, a consciência não precisa dessas horas ociosas de sono. Pode aproveitá-las para trabalhar e aprender em outros planos. Enquanto seu corpo tem o justo descanso, o espírito projetado pode engrenar etapas evolutivas mais produtivas.

A natureza é generosa. Reencarna os espíritos, mas lhe dá a possibilidade de ventilarem a si próprios nas aragens espirituais, através da projeção astral. A natureza do corpo astral é a atividade. Ele é composto de luz polarizada, organizada em um organismo bem definido. Mesmo encaixado temporariamente em um corpo denso, ele anseia instintivamente pela liberdade. As correntes energéticas, universais e interdimensionais, o atraem continuamente.

A reencarnação, na verdade, proporciona o embate entre dois veículos altamente competitivos: de um lado, o corpo astral querendo libertar-se instintivamente; do outro, o corpo humano, máquina fisiológica que depende do corpo astral, e que o retém vibratoriamente, através de uma malha energética denominada “duplo etérico”, matriz dos chacras e do cordão de prata (3).

Na infância, as ligaduras energéticas ainda estão em desenvolvimento, tanto que vários técnicos extrafísicos dão assistência contínua à criança, visando sustentá-la na encarnação. Porém, por volta dos seis ou sete anos, dependendo da criança, os laços energéticos completam-se e ela está literalmente encarnada. Devido a essa soltura parcial, para muitas crianças, e até mesmo para muitos adolescentes, é muito fácil fazer uma projeção astral. Além do mais, os condicionamentos da vida humana adulta ainda não os acorrentou. A correria do dia-a-dia, as contas a pagar, a manutenção do casamento, a educação dos filhos, a estratificação das idéias, a fossilização consciencial gerada pela mídia da comunicação em geral, o materialismo predominante, as religiões antiquadas e vários outros fatores, terminam por amarrar demasiadamente o espírito na carne. Neste contexto, é natural que o corpo humano leve imensa vantagem sobre o corpo astral.

Cabe àquele que busca a projeção consciente, dar os recursos ao seu veículo astral, para que ele suplante o seu irmão terreno (e, ao mesmo tempo, rival circunstancial). Esses recursos são bastante conhecidos, muito embora as pessoas teimem em não utilizá-los. Sem dúvida, porque exigem disciplina e esforço contínuo.

Podemos relacioná-los:

- Vontade firme (sem ansiedade) de se projetar.

- Leitura freqüente sobre projeção e assuntos espiritualistas, principalmente perto da hora de deitar.

- Desenvolvimento harmônico do próprio campo energético, através do desenvolvimento dos chacras (4) e da exteriorização energética diária.

- Participação, se possível, em algum grupo que preste assistência espiritual à coletividade interdimensional, isto é, física e extrafísica. Essa participação é recomendável porque desenvolve o campo energético na doação, bem como o sentimento e a fraternidade real do candidato a projetor, e cria uma maior afinidade espiritual com os amparadores (5) que patrocinam a assistência física e extrafísica.

- Se for possível, procure debater os temas da projeção com outros projetores e estudiosos do assunto.

- Não tenha medo. Supere-o com o conhecimento sobre o assunto. O medo é o maior inimigo do projetor, pois paraliza as correntes energéticas do corpo astral e cria traumas que podem bloquear o desenvolvimento sadio das projeções por anos a fio.

- Cultive o hábito salutar de ouvir boa música antes de deitar. A música de bom nível induz o cérebro a emitir ondas alfa, o que, naturalmente, é positivo para o projetor.

- Evite assistir filmes ou novelas antes de deitar. O cérebro fica condicionado com a saturação de imagens e acaba gerando sonho sobre as mesmas. Quanto maior for a cota de emoções e perspectivas sobre a novela (principalmente se a cena vista for de grande impacto emocional), o noticiário ou filme (principalmente se for de terror ou violência), maior será o prejuízo do projetor.

Se não for possível anular a influência televisiva sobre você, pelo menos tente atenuá-la. Não deite imediatamente após o programa terminar. Dê pelo menos sessenta minutos para seu cérebro desintoxicar-se da influência das imagens. A melhor maneira para isso, é distrair-se com alguma coisa que lhe agrade. Uma boa opção é ler um pouco e ouvir boa música. Uma relação sexual também é ótima, para ajudar no descondicionamento.

- O conselho anterior é válido também para quem trabalha com computação, em casa. Não deite logo após ter usado o computador e use os mesmos procedimentos descondicionantes do tópico anterior.

- Procure ter consciência de que o condicionamento humano o enganou. Você não é um ser humano! Você é um espírito imortal, preso em um corpo físico, para uma experiência evolutiva na Terra! Portanto, não se considere como ser humano, mas sim, como espírito transcendental. Sendo assim, transcenda as barreiras da limitação física, supere a si mesmo, e ejete-se conscientemente para seus bordejos espaciais.

Durante o dia, e principalmente ao deitar, repita várias vezes para si mesmo:

“EU SOU UM ESPÍRITO!”

“EU SOU UM ESPÍRITO!”

“EU SOU UM ESPÍRITO!”

Parece uma afirmação mística, mas não é!

Posso até mesmo imaginar o desdém com que os estudiosos da Projeciologia (6) destilarão quando virem tal afirmativa.

A proposta desta afirmação repetida é quebrar o condicionamento de que se é um corpo humano e implantar no subconsciente a certeza da verdadeira natureza espiritual.

O pesquisador inteligente e eclético, que naturalmente é desprovido de um intelectualismo frio e de um espiritualismo fanático, pode pôr à prova essa tática de afirmação espiritual, certo de que colherá resultados surpreendentes não só quanto à projeção consciente, mas também quanto ao reforço da própria vontade.

Este método afirmativo deve ser seguido à risca, durante seis meses. E pode ser usado com toda segurança, pois não é alienante. Além disso, trata-se de uma ótima afirmação para o momento da morte.

Após seis meses, ou até mesmo antes, o candidato observará em si mesmo várias alterações energéticas e uma maior confiança em seu próprio potencial.

Este método de afirmativas era bastante utilizado nos antigos templos espiritualistas orientais. Já ajudou muitos iniciados espiritualistas da antiguidade a projetarem-se com perfeição. Portanto, deve ser resgatado como recurso para os projetores de hoje.

- Procure equilibrar-se emocionalmente. Não é coerente tentar ser um projetor consciente, e ao mesmo tempo, ser “pavio curto” nas relações com as pessoas. O desequilíbrio emocional faz com que as energias do corpo astral se adensem e tornem a projeção consciente mais difícil. Além disso, pode criar condições para que obsessores espirituais aproximem-se durante a experiência.

- Não desanime com a falta de resultados positivos. O estudo da projeção da consciência, por si só, gera recursos valiosos para sua própria evolução. Saiba que se não conseguir projetar-se conscientemente (ou quem sabe, já esteja fazendo e não se lembre), pelo menos está “recheando” seu corpo mental com informações imperecíveis (termo que o amigo Yogananda gosta de usar) que, obviamente, serão úteis para você em qualquer nível espiritual, após a sua morte e também nas próximas reencarnações.



- Rama -

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 15 de outubro de 1991).

1. “O caminho a ser percorrido para se alcançar o sucesso na experiência extracorpórea é longo e tortuoso, pois o estudo técnico e prático dessa verdadeira arte espiritual precisa de muita pesquisa e objetividade. Sem amor, dedicação e paciência não se avança muito neste caminho. Seu desenvolvimento correto é árduo e constante e, sinceramente, não sei se as pessoas estariam realmente preparadas para esse tentame.
Ao observarmos a falta de vontade firme de alguns, a imaturidade de outros e a leviandade de quase todos, ficamos a imaginar se a maioria dos que desejam projetar-se
para fora do corpo somático não deseja, no fundo de suas consciências, fazer do plano espiritual uma extensão das bobagens humanas.”
(Trecho extraído de uma mensagem espiritual que recebi do espírito André Luiz, no Rio de Janeiro, em 27 de julho de 1990).
2. Estado hipnagógico e estado hipnopômpico são estados alterados da consciência, limítrofes entre a vigília física e o sono. O Hipnagógico é o cochilo que ocorre no início do sono. O Hipnopômpico é o cochilo que ocorre perto do despertar físico.
Obs.: O cérebro apresenta quatro tipos de ondas cerebrais:
- Ondas Beta (30 a 14 ciclos por segundo - características da vigília física).
- Ondas Alfa (13 a 8 ciclos por segundo - características dos estados de relaxamento e dos estados hipnagógicos, limiares entre a lucidez da vigília e o sono, e hipnopômpicos, limiares entre o sono e a vigília, chamados popularmente de cochilos).
- Ondas Theta (7 a 4 ciclos por segundo - características do sono leve).
- Ondas Delta (4 a 1 ciclo por segundo - características do sono profundo).
3. Duplo Etérico: é o campo energético que interliga o corpo extrafísico (corpo astral, perispírito, corpo espiritual, psicossoma) ao corpo físico. É a malha energética na qual se situam os chacras e os filamentos energéticos que compõem o cordão de prata nas projeções da consciência para fora do corpo físico (viagem astral, experiência fora do corpo, projeção astral) – Sinonímias: Duplo etérico (Teosofia), Holochacra (Conscienciologia), Corpo vital (Rosacruz).
Obs.: para mais detalhes sobre o funcionamento do duplo etérico, ver o texto “Diferenças Entre o Psicossoma e o Duplo Etérico”; sobre o cordão de prata, ver o texto “Descrições do Cordão de Prata”. – Ambos os textos estão postados em minha coluna da revista on line do site do IPPB – www.ippb.org.br
4. Chacras (do sânscrito): são os centros energéticos situados nos corpos sutis do ser humano. Para maiores detalhes, ver a seção de Bioenergia, aura e chacras no site do IPPB.
5. Amparadores extrafísicos: mentores espirituais; protetores astrais; guias espirituais; benfeitores espirituais; amigos extrafísicos.
6. Há diversos grupos e pesquisadores trabalhando bem com a projeção da consciência, cada um seguindo seu próprio jeito e abordando o tema da maneira que lhes parece a mais adequada. Alguns são mais técnicos, outros mais universalistas ou espiritualistas, e outros ainda ligados à alguma filosofia em particular. Por isso, sugiro aos leitores que dêem uma olhadinha na seção de bibliografia sobre o tema em nosso site. Lá estão listados livros das mais diversas abordagens e aí a pessoa tem a opção de escolher o que lhe parecer mais adequado em seus estudos. Na verdade, o ideal é sempre manter a mente e o coração abertos para tudo o que for positivo e recusar tudo aquilo que for deletério, venha de que fonte vier, pois não há nada perfeito nesse planeta e os seres humanos (eu incluído, obviamente) não dominam nem as mais simples emoções, quanto mais um assunto como a projeção da consciência. Fazer uma síntese inteligente e criativa de todas as informações, filtrando tudo com o crivo do discernimento e do bom senso
e buscando sempre o crescimento, não só espiritual, mas principalmente como ser humano bacana. E ainda aumentar o bom humor, pois sem ser feliz, de que adianta estudar algum tema desses?

Imprimir