Aïn Soph Aur: Luz Sem Fim

Pensamento do dia 29 de dezembro de 2014.

Aïn Soph Aur: Luz Sem Fim

"Os cabalistas mencionam, na Árvore Sefirótica e para além da séfira Kether, um espaço ao qual chamaram Aïn Soph Aur: Luz Sem Fm. Esse espaço é impenetrável: é o Absoluto, o Não Manifestado do qual não se tem nenhuma noção e de que Kether – como Deus manifestado – é uma emanação. A Divindade, assim como os cabalistas a compreendem, está para além da luz e das trevas, para além dos mundos criados. E para poder exprimir ainda melhor o mistério da Divindade, além de Aïn Soph Aur os cabalistas conceberam uma região chamada Aïn Soph: Sem Fim; e além de Aïn Soph, Aïn: Sem. Na origem do universo existe, portanto, uma negação. Mas esse ‘sem’ que indica a ausência, a falta, não significa, porém, a ‘não existência’.

Aïn não é o Nada, como alguns imaginaram o Nirvana dos hindus. De fato, é exatamente o inverso. Aïn Soph Aur, tal como o Nirvana, é uma vida para além da criação, da manifestação, e é tão para além que parece ser uma não-existência. Aïn Soph Aur... Aïn Soph... Aïn... Foi assim que os cabalistas procuraram explicar realidades que fogem ao nosso entendimento. É impossível falar do Absoluto, mas devemos ter uma noção a respeito e agradecer a Deus, o nosso Pai Celeste que nos ama, nos ajuda a crescer e que trabalha no nosso coração, pois mesmo insuficientes, as palavras nos fazem pressentir essa realidade."

Omraam Mikhaël Aïvanhov


Esse texto é recebido da Edizioni Prosveta em italiano, e traduzido para o português (do Brasil), com o objetivo de difundir as mensagens do Mestre Omraam Mikhaël Aïvanhov.

Imprimir