NENHUM É TÃO MAL, NENHUM É TÃO BOM

- Por Dalton Roque e Andréa Lúcia da Silva -


Nenhuma terra é tão fria, quanto a frieza dos corações que nela habitam.

Nenhum relacionamento é tão distante, quanto a distância das pessoas que têm medo do afeto.

Nenhum conviver é tão duro, quanto a dureza das almas egoístas que possuem medo da convivência.

Nenhum lugar é tão feio, quanto a feiúra da arrogância e do orgulho, mesmo habitando uma cidade bela.

Nenhum silêncio é tão desagradável, quanto a falta de diálogo nas famílias e empresas.

Nenhuma dor é mais doída do que aquele que a sente, seja em que grau e situação for.

Nenhuma solidão é mais só, que conviver no meio da multidão sem ter alguém para lhe ouvir.

Nenhuma expectativa é tão ruim, quanto a certeza de jamais possuir perspectiva de ter uma vida digna e sem humilhação.

Nenhuma frustração é pior que a de possuir dinheiro e não poder comprar a felicidade.

Nenhuma inveja é pior que desejar a competência e os méritos dos outros por não possuir confiança em si.

Nenhuma felicidade é melhor que a de poder realizar a felicidade de outros.

Nenhum prazer é melhor que o êxtase do coração, da expansão da consciência e da consciência tranqüila.

Nenhuma paz é melhor que a paz íntima advinda da harmonia dos próprios pensamentos.

Nenhuma liberdade é melhor que a liberdade de expressão e de pensamento.

Nenhum valor é mais digno que o perdão, o arrependimento, a humildade e a vontade de aprender e melhorar em todos os sentidos.
 
 

Imprimir