O CATADOR DE ESTRELAS

(Para Todos Aqueles que Catam Estrelas e as Transformam em Sorrisos) - Por Frank - Amedrontado, observara Seus pais brigando por motivo algum E orou a Deus pedindo duas estrelas emprestadas, Para colocar no peito de cada um.
E tal como mágica, difícil de ser explicada, Seus pais se abraçaram, pedindo um ao outro perdão. O menino sorriu e prometeu, desde aquela data, Que, onde houvesse briga, ele transformaria estrela em união. Ele sabia que o mundo, às vezes, mergulhava no medo, E que as pessoas brigavam para convencer as outras de suas incertezas. Assim, ele foi tentando enviar luz desde cedo, Trabalhando na Terra como Catador de Estrelas. Na escola, quando os coleginhas se desentendiam, Porque um gostava de miolo e o outro da casca do pão, O menino fechava os olhos fingindo que anoitecia, Para arrancar do céu estrelas e acabar com a discussão. Havia dias em que ele pensava em desistir. Com tanta briga no mundo, o brilho da noite poderia acabar. Mas percebeu que, cada vez em que catava uma estrela dali, O Criador colocava outra no lugar. Quando cresceu, ele pensou em ensinar Aos outros como catar estrelas e enviá-las ao mundo, Mas quase ninguém queria aprender a compartilhar, Porque dava trabalho e não tinha futuro. Disseram a ele que todo Catador de Estrelas Que já tinha existido na Terra, Tivera uma vida cheia de tristezas E fora por todos incompreendido. Mas só de pensar no sorriso das amizades reconciliadas E nas brigas transformadas em sorrisos, Assumiu que, mesmo que o fim da estrada não desse em nada, Já valeria a pena transformar estrelas em riso amigo. Dizem que até hoje ele segue pelo mundo Transformando a sombra da dúvida em luz da certeza, E, se algum dia, ao invés de brigar, você desistir, Talvez seja obra do Catador de Estrelas. São Paulo, 02 de outubro de 2007.

Nota de Wagner Borges: Frank é o pseudônimo do nosso amigo Francisco de Oliveira, participante do grupo de estudos do IPPB e da lista Voadores. Depois de vários anos morando em Londres, ele voltou a residir em São Paulo, em fevereiro de 2005. Ele escreve textos muito inspirados e nos autorizou a postagem desses escritos. Há diversos textos dele postados em sua coluna da revista on line de nosso site e em nossa seção de textos periódicos, em meio aos diversos textos já enviados anteriormente. www.ippb.org.br – Outros textos podem ser acessados diretamente em seu blog na Internet: http://cronicasdofrank.blogspot.com.

Imprimir