51 - CRIANÇAS DE BRAHMAN - IV

Dorme, minha criança.

Vôa pelo espaço infinito enquanto sustento seu corpo em meu colo.

Sabe, depois que você desceu do Céu e veio pousar em minha vida, meu coração transformou-se num sol de amor. Raciocino, mas derreto-me por você!

Será que seu anjo protetor está aqui junto de nós?

Ele vê o que estou escrevendo agora? Não sei, mas tenho certeza de que ele sabe o quanto a amo.

Querida, você dorme em meus braços e eu me lembro de nós dois em vidas anteriores. Lembro-me de idas e vindas em corpos e épocas diferentes. E aqui estamos nós novamente, envolvidos no jogo de viver.

Pai e filha, somos irmãos de caminhada, colegas de evolução.

Dentro ou fora da carne, somos espíritos imortais. Mas, no momento, você apenas dorme em meus braços. E meu coração parece um sol!

Obrigado por ter vindo alegrar meu coração, querida.

- Wagner D. Borges -
São Paulo, 17 de setembro de 1998.
(Este texto é dedicado a Heleninha e Maria Luz, as duas estrelinhas-filhas que moram no céu de meu coração espiritual)
/*



Texto <51><17/09/1998>

Imprimir