828 - NO FOGO DO ESPÍRITO - FACE A FACE COM O INVISÍVEL

Face a face com o invisível, todo homem chora.
Diante do olho onipresente do Todo, não há sombras.
O iniciado espiritual sabe disso. A dor o ensinou, por muitas vezes.
Quando o seu ego era grande, tempestades corretivas o açoitaram.
Maat*, com grande generosidade, curvou seus joelhos no sal e no sangue.
E ele chorou nas areias quentes do antigo Egito, sem que os deuses o ouvissem.
No cadinho da experiência, sua arrogância foi solvida no fogo do espírito.
E, na grande hora de sua ascese, a Mãe Ísis** o guiou pelos túneis escuros.
Ela trouxe acesa a tocha do amor e sorriu para ele, enchendo-o de graça.
Depois, na presença dos hierofantes***, ele aprendeu a servir à Luz.
Ali, ele abriu seu coração e chorou, mais uma vez, renascido em si mesmo.
Mas suas lágrimas eram libertárias. Eram lágrimas de agradecimento.
Sim, todo homem chora diante do olho da verdade. E seu orgulho se cala!

* * *

Em muitos vôos para fora de seu corpo físico, ele viu verdades e foi testado.
Enquanto seu corpo repousava, em espírito ele era iniciado nos templos sutis.
Ele viu muitas sombras, dentro e fora de si mesmo. Mas trabalhou firme!
Em silêncio, ele orava e se fiava na Luz. Ele se lembrava da graça de Ísis.
Só de pensar na Grande Mãe, seu coração se enternecia. Ela era o seu sol!
Ele aprendeu a seguir os ditames do Alto e seguiu em frente, pela Luz...
Às portas do infinito, em seu próprio coração, ele dissolveu-se num lindo amor.
Ele não era mais seu, era da Luz! E em sua fronte brilhava uma estrela espiritual.
Admirado, ele agradeceu, mais uma vez, à Mãe Ísis, pelo presente brilhante.
Ele sabia que, por onde fosse, a estrela o guiaria e protegeria.

* * *

Sim, todo homem chora diante do olho espiritual. Tudo se revela na Luz!
Mas o iniciado espiritual sabe algo que o vulgo desconhece: é choro libertário.
Ele sabe que o egoísmo e o orgulho levam aos caminhos da dor.
Por isso, segue firme na trilha espiritual que escolheu servir, sem se desviar.
Em sua bagagem consciencial, ele carrega o discernimento e a simplicidade.
Em seu coração, a tocha do amor, acesa pela Mãe Ísis.
Em sua fronte, uma linda estrela.
Por onde ele for, ela o guiará, como deve ser. 

P.S.: Alguns escritos, lidos no momento certo, são capazes de verter o sublime.
Então, na caverna secreta do coração, algo acontece. Algo sutil. Algo lindo.
É leve como a pluma de Maat e doce como a graça da Mãe Ísis.
É como um toque da Luz no silêncio. Faz lembrar alguma coisa boa.
Faz o espírito fremir na sintonia do Eterno, além das palavras.
Faz sentir que há outros sentindo as mesmas coisas, por esse mundão de Deus...
Faz sentir ligações invisíveis, forjadas no fogo do espírito, além do vulgo.
E quem de fora poderá compreender isso?
Dentro de si mesmo, há uma certeza brilhando: há algo a mais em cada ser.
Viver é mais do que só respirar, comer, beber, dormir, copular e, um dia, morrer.
Quando o véu das ilusões é erguido, o que se vê é o infinito imanente...
Face a face com o olho da verdade, o invisível se revela e a consciência desperta.
E quem passará incólume diante desse fogo da transformação,
Quando todo homem chora, ao ver o divino em si mesmo?
Quem compreende isso, o compreende.
Parafraseando os mestres da velha Índia, também exclamo, de coração:
"Levante-se e não se detenha mais, até alcançar a meta!"

(Caros leitores, agora, ao apagar das luzes desses escritos, eu entro em meu coração, e vejo vocês, desconhecidos e, ao mesmo tempo, tão conhecidos, de alguma maneira que só Deus sabe. E fico contente por isso. Com este colóquio sutil, humano e espiritual, por entre os planos e dimensões, feito do fogo do espírito e sob a ação da Luz e os auspícios do Alto).   

- Esses escritos são dedicados a todas as pessoas que batalham por climas melhores na existência, de todos os lugares, que, mesmo com dificuldades, ainda "respiram e aspiram" os valores de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
Essas pessoas da Luz, que sabem que a grande iniciação é fazer o bem sem olhar a quem. Elas sabem que o templo real é no próprio coração. 
A elas, em espírito e verdade, as bênçãos do Grande Arquiteto Do Universo.

Paz e Luz.

- Wagner Borges - sujeito com qualidades e defeitos, 46 anos de "encadernação", discípulo de nada e mestre de coisa alguma, eterno neófito do Todo, a quem agradece, por tudo.

São Paulo, 07 de fevereiro de 2008.

 

- Notas:
* Maat - a deusa da justiça na cosmogonia egípcia antiga.
  Obs.: Para maiores detalhes sobre Maat, favor ver esses dois textos: "Maat" e "Olhos de Maat" -, postados no site do IPPB, nos seguintes endereços específicos:
http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=250.
http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=471.
** Ísis - a Grande Mãe na cosmogonia egípcia antiga, esposa de Osíris e Mãe de Hórus. A madrinha dos iniciados aos grandes arcanos.
*** Hierofantes - dentro das tradições herméticas de outrora, eram o mestres que testavam os neófitos - calouros - nos processos iniciáticos

Obs.: Deixo na seqüência dois textos antigos que apresentam fortes correspondências com esses escritos de hoje e que, lidos em conjunto, poderão enriquecer a compreensão das idéias aqui expostas. 

  

NEÓFITOS DA VIDA - FILHOS DO MESMO TODO

O que tem de gente acendendo vela para o santo e ao mesmo tempo fulminando os adversários com pensamentos daninhos é uma enormidade.
A ignorância das realidades da vida espiritual torna as pessoas ridículas em suas práticas espirituais.
Muitos querem desenvolver fenômenos incríveis, mas são medrosos e têm medo do que supostamente gostariam de ver. Querem ver o Além, mas têm medo de olhar para si próprios e verificar a quantidade de coisas ruins que moureja em seu íntimo.
Quando alguém lhes fala de valores elevados, irritam-se facilmente. Preferem a superficialidade tão comum aos que trafegam nas vias espirituais cheios de leviandade.
O que os move no caminho espiritual são seus desejos egoístas e a ânsia por poderes psíquicos. Não querem crescer, querem poderes.
Não almejam o amor e nem a claridade de quem galga os degraus de luz com atitudes dignas no seio do mundo comum.
Querem ser iniciados nos arcanos espirituais, mas seus pensamentos são vulgares e suas emoções são mais mundanas do que os que nada sabem desses assuntos. São mais profanos do que os profanos comuns, pois têm o acesso ao conhecimento que liberta, mas portam-se equivocadamente em relação aos objetivos de suas buscas espirituais. São profanos de luxo!
Exigem técnicas especiais para o desenvolvimento dos poderes psíquicos, mas não portam a paciência necessária para a colheita dos resultados.
Não têm disciplina para perseverar e estão sempre em busca de alguma fórmula espiritual milagrosa que lhes abra as percepções ou de algum exercício infalível.
Raramente ponderam sobre as responsabilidades inerentes a esses estudos e práticas.
Quanto maior o conhecimento, maior a responsabilidade.
Carregam duas bolsas em suas atividades (humanas e astrais): uma na mente e a outra no coração.
A bolsa mental está repleta de condicionamentos e arrogância.
A bolsa do coração está lotada de mágoas e egoísmo.
Muitas vezes, os espíritos infelizes os assediam cutucando justamente essas bolsas. Costumam agarrar-se a elas e acompanham essas pessoas, aonde elas vão.
Não precisa abrir a clarividência para ver esses espíritos e nem sair do corpo para encontrá-los. Basta olhar dentro das bolsas!
O encontro consigo mesmo é amargo e doce. Todo iniciado nos arcanos espirituais sabe disso na prática, pois já chorou muito pisando os vários espinhos psíquicos espalhados pelas pistas de sua própria alma. Trilhou becos obscuros e trilhas perigosas em si mesmo, onde sua única lanterna era seu discernimento e seu amor pela luz.
Munido de grande respeito pelos objetivos colimados e sempre caminhando com modéstia e responsabilidade, encontrou a GRANDE LUZ em si mesmo. Permitiu-se ser possuído por um amor transbordante. O véu de Ísis foi erguido no templo de sua alma e o manto da ilusão dissolveu-se.
No profundo amargor de suas provas, ele percebeu a doce presença do INEFÁVEL guiando seus passos.
Em silêncio, ele curvou a cabeça e prometeu servir aos ditames da LUZ e lutar tenazmente contra a ignorância.
Prometeu servir a humanidade da forma que lhe for possível e ser canal da ESPIRITUALIDADE a favor do progresso de todos os seres.
Seu grau iniciático está presente em suas atitudes diárias: é incapaz de fazer o mal a alguém.
Seu trabalho é preciso: sabe por onde anda e como executar sua tarefa no mundo.
Seu mestre é o AMOR.
Sua ordem é a do BEM.
Seu arcano é simples: trabalhar na LUZ.
Os buscadores levianos querem os poderes, não o trabalho. O iniciado quer o trabalho, não o ego.
Na óbvia diferença entre os objetivos dos dois fica evidenciada a qualidade da viagem espiritual de cada um.
No cadinho da experiência, a vida fará ocorrer a grande alquimia: transformará, pelas vias das experiências diárias e comuns, os corações de ferro em corações dourados de ouro espiritual, peneirado nas areias iniciáticas da própria alma.
Para os levianos de plantão, um recado: a ânsia pelos poderes parapsíquicos talvez revele reminiscências inconscientes de antigas experiências com magia trevosa em vidas passadas. Nesse caso, a natureza bloqueou, na vida atual, alguns desses potenciais, como forma de proteger esses incautos que geraram péssimas causas no passado.
Só há uma forma de lidar com isso e desbloquear esses potenciais: usá-los com a nítida finalidade de amadurecimento e como expressão da alma que labuta pela melhoria de todos os seres. Fazer o BEM sem olhar a quem e munir-se de muita paciência na jornada da vida. Transformar o trevoso de ontem no radiante de hoje.
E, acima de tudo, esvaziar as bolsas da mente e do coração e colocar, no seu lugar, o discernimento e a fraternidade em ação.
Ninguém é perfeito e a trilha ascensional é íngreme. Mas, o esforço vale a pena!
O prêmio não é nenhum poder ou mestrado espiritual. É apenas um estado de alegria íntima independente de circunstâncias exteriores.
É aquele brilho nos olhos de quem trabalha dignamente.
É aquela LUZ no coração que nada pode apagar.
É um agradecimento contínuo ao INEFÁVEL que lhe permitiu ascensionar, mesmo em meio a tantas encrencas diárias.
É aquela sensação de imortalidade enchendo sua consciência de confiança e esperança no melhor para todos.
Aos iniciados de plantão, um recado: quanto mais profundo o grau iniciático, mais forte será a sensação de que se é um eterno neófito* da vida e do GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO.

PAZ E LUZ.

P.S.: Escrevi esse texto sob a orientação de um amparador extrafísico, amigo de longa data, que não quer nada ostensivo em relação à sua presença.

(Dedico esses escritos ao Pai Joaquim de Aruanda, amigo extrafísico ligado às vibrações da Umbanda, e ao sábio espiritual Boghanata, mestre de Krya Yoga que me ensinou várias práticas fora do corpo).

- Wagner Borges - aprendiz da arte de viver e que também acha que piadas são esotéricas para as pessoas irritadas, que nunca as entendem e ainda acham o cúmulo alguém ser espiritualista e alegre ao mesmo tempo.

São Paulo, 07 de outubro de 2000.

- Nota:
* Neófito - calouro, iniciante, aprendiz.

 

ASSIM FLORESCERÃO TUAS ROSAS...

- por Huiracocha -

Busca o ESSENCIAL.
Sabes tu o que é o ESSENCIAL, querido leitor?
Escuta... Todas as coisas da Natureza, tudo o que vês, todas as formas condensadas, e ainda aquelas que tua pobre retina não divisa, têm um ponto essencial, uma substância íntima, um espírito alado, sutil, pelo qual vivem e se desenvolvem.
Para além disso, todo o resto é secundário. Não inútil, porque a inutilidade não existe dentro da Magna Obra do Universo. São meios, veículos, portadores, se queres o essencial.
O meio é perecível; pertence à nossa Terra.
O essencial é eterno; pertence ao céu do nosso espírito.
Busca, portanto, o ESSENCIAL!
Se, para isso, tu aceitas as sete regras seguintes, aprendendo-as e praticando-as, tua cruz será mais leve, e a rosa te emprestará o seu sagrado perfume.

1. Leva, em todos os teus atos, uma meta. Em todas as coisas, um fim. E que estes sejam o de descobrir o ESSENCIAL. Presta toda tua atenção nisso e toma por instrumentos o útil e o nobre, o bom e o belo, para consegui-lo, e não desistas diante dos obstáculos que se interponham.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

2. Alegra-te! Que o contentamento e a alegria rebordem por todos os poros de tua alma, até pelas mínimas impressões, e te encham de prazer íntimo. Tua essência é divina, e Deus está em tudo o que existe. Percebe o ESSENCIAL, ainda que presente no menor dos organismos.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

3. Aprende a respeitar a opinião sincera dos demais. Se discordares, expõe a tua opinião, com bom senso e respeito, porém sem nunca desprezar a dos outros. O ESSENCIAL, o divino, também fala pelos demais homens, e é só questão de evolução que se aproxime, mais ou menos, da verdade.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

4. Sai diariamente ao ar livre e admira a Natureza. Alegra-te e regozija-te com o sol, o céu, o ambiente, as flores e o pequeno inseto que se arrasta sobre a terra. Observa que a divindade está em tudo o que existe e, em aberto, está o ESSENCIAL.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

5. Sê fiel para os teus amigos, e assim terás amigos fiéis, porque tu estás dentro deles. Ainda que sejas uma entidade separada e individualizada, não és mais do que expressão e expansão do Divino. Medita nisso, e ajusta o teu comportamento a essa compreensão; busca ali o ESSENCIAL.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

6. Relaciona-te com todas as pessoas; porém, dá preferência àquelas que saibam mais do que tu, para extrair deles a substância do que têm aprendido. Então, tu os conhecerás e os amará, e tua observação te fará ver que são como tu mesmo; porém, que o ESSENCIAL é o que sabem, e que tu não sabes.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

7. Concentra-te todos os dias. Observa se tua atenção tem ficado apenas em coisas secundárias. Realiza sempre um exame de consciência e responde a ti mesmo. Se não te foi possível estar atento ao ESSENCIAL, cuida de emendar-te, para buscar todos os dias essa essência divina, que está em tudo o que existe. Assim, tu progredirás e serás feliz.
ASSIM FLORESCERÃO AS ROSAS SOBRE TUA CRUZ.

(Texto extraído do livro "Rosa Esotérica" - Editorial Kier - Argentina - Traduzido e adaptado por Wagner Borges e Simone Schumacher).

- Nota de Wagner Borges: Huiracocha é o pseudônimo do ocultista alemão Arnold Krumm-Heller (1876-1949). O seu livro "Rosa Esotérica" é um clássico da literatura ocultista da primeira metade do século 20. Ele mudou-se muito jovem da Alemanha para o México. Posteriormente, mudou-se para o Chile. Viajou muito e foi muito considerado nos meios ocultistas de sua época, não somente na América do Sul, mas também na Europa. Fez parte de muitos grupos esotéricos; foi maçom e rosa-cruz. Seus escritos místicos são muito inspirados. Ver outros textos dele - "Tua Pedra" (texto 664), e "Teu Ritmo" (texto 674), na seção de textos periódicos de nosso site - www.ippb.org.br.


Texto <828><12/02/2008>

Imprimir