TEMPO DE DUVIDAR

- Por Frank -

Tenho medo de ter nascido por acidente.
Apavoro-me com essa possibilidade...
De a Terra existir, sem motivo aparente.

Diante da idéia de um Deus ausente, meu coração estremece,
Pois aprendi a viver dependente de um Criador presente.
Não me ensinaram o que fazer,
Se um dia eu descobrisse que Deus não existe.
E agora, o que faço,
Nesse tempo de dúvidas?
Procuro um padre? Um oráculo?
Ou enfio a minha cabeça num buraco,
E só saio quando tiver certeza de novo?

Oh, noite escura!
Em que minha alma está coberta de nuvens,
E minha mente repleta de perguntas.
Será que é justamente quando vem a dúvida,
Que o Criador fala com as suas criaturas?

Não durmo;
Fico esperando a fé voltar.
Só quem volta é o dia.
E, com ele, os raios do sol,
E um passarinho cantando.

Observo a manhã e o canto do pássaro...
E percebo que não estou apenas vivo,
Mas estou consciente disso.
Posso observar a manhã e o passarinho,
E me dar conta de que nasci humano,
Para dar sentido às coisas, mesmo quando elas
Não fazem o menor sentido.

Daí, volto a enxergar Deus em todas as coisas,
Até naquelas que dizem que Deus não está.
Não tem jeito, encontro Ele até na dúvida;
Vai que Ele mora por lá...

São Paulo, 11 de dezembro de 2009.

- Nota de Wagner Borges: Frank é o pseudônimo do nosso amigo Francisco de Oliveira, participante do grupo de estudos do IPPB e da lista Voadores. Depois de vários anos morando em Londres, ele voltou a residir em São Paulo, em fevereiro de 2005.
Ele escreve textos muito inspirados e nos autorizou a postagem desses escritos.
Há diversos textos dele postados em sua coluna da revista online de nosso site e em nossa seção de textos periódicos, em meio aos diversos textos já enviados anteriormente. www.ippb.org.br – Outros textos podem ser acessados diretamente em seu blog na Internet: http://cronicasdofrank.blogspot.com

Imprimir