PROJETO POEMA

Mesmo que eu tenha o sólido e a carne mais densa,

posso voar feito ave que gorjeia e pensa...

Mesmo que eu tenha a máscara e a pele tão presa,

posso atravessar o quarto, a sala e o tampo da mesa.
Mesmo que eu tenha na vida o peso da farda,

posso amanhecer no tempo que espera e nunca tarda.

Mesmo que eu possa andar pelos becos rasos do mundo,

posso ter meus passos largos viajando em sono profundo.

Mesmo que eu possa passar as portas e vislumbrar janelas,

posso sentir-me mais livre, apartado das mazelas.

E por mais que eu possa caminhar estreito em linha reta,

tenho que seguir o espaço no ser que se projeta.

E por mais que eu tenha que me deslocar,

posso deslizar tranqüilo nas ondas do meu pensamento.

E por mais que eu possa olhar as ruas da minha cidade,

posso admirar a terra no ápice da minha vontade.

E por mais que eu tenha que fincar assim meus pés no chão,

tenho que voar mais solto nas asas da projeção!

- Maurício Santini -


Imprimir