OS CAMINHOS QUE LEVAM A BUDA

Buda, o conhecimento em si, via seus discípulos sob a luz espiritual. Compreendia sempre seus caminhos pessoais dentro do caminho do meio. Mas os discípulos não se entendiam entre si. Um criticava o outro, um queria conduzir o outro. E o conhecimento vivo se perdia.
Foi quando Buda resolveu trazer uma lição para a luz da experiência, já que os discípulos disputavam sob qual forma o auto-conhecimento era mais importante, mais verdadeiro.

Pediu a todos que fizessem silêncio e trouxe uma criança.

E deixou que a criança brincasse, escolhendo entre instrumentos de meditação, livros, pessoas e o próprio jardim que cercava o monastério. A criança brincou com tudo que estava à mão, algumas vezes com mais interesse, outras com menos, depois foi brincar no jardim e com sua própria imaginação criou outros instrumentos de ser ela mesma.

Os discípulos então entenderam que todos eram necessários e pararam de criticar e julgar uns aos outros. Pois, o trabalho era imenso e com a discussão inútil muito havia ficado por fazer, e toda encarnação precisa ser bem aproveitada.

Essa é a "história" que um amparador acaba de me passar para ilustrar ao grupo que o conhecimento tem muitos meios de ser alcançado, mas todos, todos os caminhos são importantes igualmente.



Paz e Luz.

- Monica Allan -
(Um espírito livre que busca o conhecimento e compreende que no caminho do meio se fundem muitos caminhos, assim como são as línguas e as linguagens da comunicação divina).


São Paulo, 28 de abril de 2006.

Imprimir