JORGE, UM CARA EXTRAFÍSICO

Jorge era um cara muito irritado
Por isso, vivia mal humorado
E, à noite, não viajava pelo céu estrelado

Jorge não gostava da natureza
Seu coração vivia na impureza
Até mesmo para dormir, à noite, era dureza

Jorge bebia, todo dia, sua birita
E fumava seu cigarrinho
Depois não recebia atenção de sua filha Rita
E ficava carente de carinho

A falta de carinho o deixava agressivo
Machista, sisudo, durão, cabeçudo
Tudo para manter a sua capa
Mas era nos pesadelos que ele encontrava seus chapas

Jorge desencarnou e tudo piorou
Controle da mente zero e parentes aliviados
Amigos não se via, e a irritação era constante
Tudo conseqüência de uma encarnação vacilante

Jorge era escritor
Mas, hoje, acho que era ator
Pois interpretou uma vida de dor
Perdeu 52 anos sem se dedicar ao amor

Por isso, este lembrete:
Viver é nosso presente
Auto-educar-se, a nossa lição
Aprender a amar, a nossa missão.

- Jorge -
(Recebido espiritualmente por Vanderlei Oliveira)

- Nota de Vanderlei Oliveira: Recebi este texto no quadro branco, durante um trabalho de desobsessão, no salão do IPPB.

Imprimir