1132 - LEMBRANDO AS ALMAS LIVRES... – II*

 
No silêncio da noite, eu percebo uma presença sutil.
Sim, alguém vela por entre os planos, secretamente.
E o seu olhar sereno vê o que está em meu coração.
Então, eu escuto alguém me chamar por um velho nome iogue...
E, em minha tela mental, eu vejo esse mesmo olhar em meu passado.
E reconheço essa mesma presença secreta – que sempre velou por mim.
E no silêncio, por entre os planos, essa consciência sutil toca o meu Ser.
E, na linguagem da Luz, em Espírito e Verdade, eu compreendo.
E, novamente, deixo o meu coração me guiar nas ondas espirituais, e escrevo...
 
                                                          * * *
 
“Consciências elevadas não necessitam de adoração alguma.
Sabem que o Poder Real emana do Todo...
Comunicam-se em silêncio, por entre os planos.
Só falam ao coração espiritual – na linguagem do Espírito.
São serenas e emanam suaves harmonias...
Jamais exaltam o ego de ninguém.
Amam incondicionalmente e ajudam a todos.
Jamais julgam – e não reconhecem fronteiras ou credos.
Não pertecem a grupo algum da Terra – são da Luz.
Inspiram as boas obras e operam anonimamente.
Não ligam para nomes ou convenções, pois veem o Divino em tudo.
Não dependem do reconhecimento de ninguém - e nada esperam.
Não reconhecem povo algum como escolhido, pois todos vieram da Luz.
Ah, os seus pensamentos são poderosos e atravessam tudo...
Secretamente, ajudam aos homens na longa travessia das existências seriadas.
Não pressionam. Não doutrinam. Não forçam a barra... Só amam.
Invisíveis, não estão sujeitas a qualquer classificação dada pelos homens.
Não trabalham com qualquer tipo de personalismos – da Terra ou do Astral.
Não são atraídas por rituais ou petitórios místicos, pois é o Amor que as move.
Não estão limitadas a algum templo iniciático – e leem nas linhas do coração.
Sabem quem é quem na senda... E que a ação de cada um determina o seu nível.
São Almas Livres, tranquilas e magnânimas - e fazem bem a todos.
São como a primavera e inspiram o florescimento das consciências na Luz.
Em silêncio, Elas realizam a obra do Todo. E fazem isso só por Amor.
E felizes são aqueles que percebem sua ação secreta além do bulício do mundo.
Sim, felizes, pois, em seus corações, eles sabem que sem amor ninguém segue...
Ah, essas Almas Livres, tranquilas e magnânimas, como a primavera.”
 
P.S.:
Caras Almas Livres,
Sei que Vocês não gostam de aparecer, e que seu trabalho virtuoso é realizado no silêncio da Consciência Cósmica, nas ondas de um Amor sem fim...
Mas sei, também, da imensa paciência e serenidade que norteiam suas energias.
Por isso, contando com a compreensão de Vocês, falo aos homens da Terra sobre suas presenças silenciosas e sua ação compassiva a favor de todos os seres.
No meio do atoleiro sensorial e da violência que campeiam no mundo, atrevo-me a falar de Vocês. Sim, ouso fustigar a tristeza e o vazio existencial que acossam a humanidade com a Luz silenciosa que vejo emanar de Vocês.
Sei que me exponho ao fazer isso – e também exponho Vocês -, mas, fazendo assim, revelo a ação do Amor incondicional operando em meio ao caos do mundo.
E isso leva esperança e inspiração a muitos outros, que, sob essa ação sutil, abrem o coracão ao influxo espiritual superior.
Sim, mesmo no silêncio do Imanente Invisível, outros poderão sentir Vocês, em Espírito e Verdade... E, então, será primavera neles também.
Almas Livres, valeu, por tudo**.
 
(Escrevi essas linhas com o Rama, o meu cachorrinho e parceiro, deitado no meu colo. Esperto, ele logo sentiu que estava rolando algo espiritualmente e veio ficar juntinho. E, agora, eu vou deitar a carcaça física no leito e ver se dou uma volta no plano extrafísico, para, quem sabe, pegar mais uma carona espiritual na primavera das Almas Livres, por aí...)***
 
Paz e Luz.
 
- Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
São Paulo, 04 de novembro de 2011.
 
- Nota:
* A primeira parte desse texto está postada no site do IPPB – www.ippb.org.br -, no seguinte endereço específico: http://www.ippb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=10576:1124-lembrando-as-almas-livres&catid=31:periodicos&Itemid=57  
** Enquanto eu escrevia essas linhas, rolava aqui no som o CD “Angel Heart” – do genial compositor, maestro e músico americano Jimmy Webb. A música “One of the Fel” (terceira faixa do disco), é maravilhosa.
*** Não se escreve algo assim por meio do intelecto. Não mesmo! E nem se fica incólume ao sentir um Grande Amor passando por seu pequeno coração. E as palavras são muito limitadas para registrar o que se sente... Pois é uma lavada espiritual no ego da gente. Ainda bem que o Rama estava aqui comigo, para dividir o lance e compartilhar tudo.
Agora, a aurora está raiando e anunciando um novo dia. E eu não sei se o brilho que vejo é só lá fora, pois, no meu olhar também tem um brilho: o da aurora do Amor raiando além da linha do horizonte de minha consciência.
Sim, por aqui é primavera... E eu sou só agradecimento a Deus, por tudo.

Texto <1132><12/11/2011>

Imprimir Email