64 - RABI, DOCE RABI

Jesus,
por que os homens Te buscam tanto nas igrejas e na Bíblia? Será que não Te vêem no próprio coração?

Por que gritam tão alto Teu nome? Será que não percebem o silêncio do Teu trabalho no interior de suas almas?

Eles estão cegos espiritualmente? Por que não conseguem ver Tua ação sutil e pacificadora?

Muitos dizem que o Senhor foi para o céu e voltará no juízo final. Mas meu coração me diz que o Senhor nunca saiu de dentro dele.

Parece-me que os homens gostam mais de religião do que do Senhor. Usam Teu nome como slogan de conversão religiosa mas, coitados, não há brilho de amor em seus olhos.

A compaixão foi dizimada pela intolerância religiosa. Não compreendem como alguém pode ser feliz em outra religião. Citam trechos do evangelho, mas agem como múmias conscienciais.

Doce Rabi, abençoa a todos esses que não Te percebem no coração e não Te vêem nos semelhantes de outras religiões.

* * *

Certa vez, um amigo extrafísico me disse que entre os iniciados iogues o Senhor é respeitado como a expressão do AMOR OM.

Querido amigo, só consigo visualizá-lo sorrindo e com os olhos brilhando de ternura. É que Ramatís me disse que o Senhor adora ver as flores desabrochando.

Mas quem me falou mais do Senhor foi meu coração. Ele me disse que o Senhor é tão simples e amigo...

Percebendo esta luz cor de vinho banhando meu chacra frontal sob Teu influxo, sei que minha viagem pela Terra é inspirada pelo Teu amor. O Senhor e Krishna vem guiando-me invisivelmente há tantas vidas...

Ah, esse sorriso... é a força do meu serviço espiritual no mundo. E esses olhos brilhando de ternura silenciosa... são a luz que abre a flor de lótus do meu coração espiritual.

Doce Rabi, os homens radicais não Te percebem, mas aqui no templo secreto de minha alma há essa luz cor de vinho, pura compaixão em ação.

Que o brilho dessa luz seja maior a cada dia e que ajude invisivelmente aos homens de todas as raças, religiões e caminhos.

MUITO OBRIGADO, QUERIDO!

- Wagner D. Borges -
(Ubatuba, 16/08/98)
/*



Texto <64><31/10/1998>

Imprimir Email